Leilão de veículos do TJMG arrecada quase R$ 680 mil

Leilão de veículos do TJMG arrecada quase R$ 680 mil

ASCOM TJMG

Realizado de modo inteiramente informatizado e em parceria com a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag/MG), o leilão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), encerrado no último dia 21, angariou R$ 676.810. Foram leiloados 45 veículos.

Trazendo modelos de diversas marcas colocadas no mercado entre 2008 e 2016, os lotes atraíram compradores de 15 municípios mineiros e até um participante de Brasília. Com lances iniciais oscilando de R$ 244 a R$ 6 mil, a ação mais que quadruplicou o preço de custo total e triplicou a previsão do Judiciário estadual mineiro.

Essa edição do leilão, também em caráter inédito, contou com a participação de um oficial de justiça avaliador na execução e no acompanhamento do laudo, da avaliação e das vistorias, que foram disponibilizados aos interessados.

Segundo o desembargador Agostinho Gomes de Azevedo, um dos superintendentes de transportes do TJMG, o resultado superou as expectativas, e poderá contribuir para a renovação parcial da frota de veículos do TJMG.

Para o magistrado, esse retorno comprova que a iniciativa é benéfica para todos os envolvidos, pois economiza e otimiza o uso de recursos para o poder público, promovendo medida de eficiência e transparência, e atende ao cidadão, que pode fazer suas propostas com comodidade, agilidade e discrição. 

A medida atende à Resolução 83/2009 do Conselho Nacional de Justiça e à Portaria 2.352/2009 do TJMG, referentes ao transporte de magistrados e servidores do Judiciário. As normas consideram antieconômico conservar veículos que impliquem manutenção dispendiosa, recomendando a renovação periódica para prevenir acidentes e garantir condições seguras aos usuários.

O leilão é fruto de um termo de cooperação técnica com o Governo do Estado. Toda a logística do empreendimento, desde o estudo de mercado à elaboração do edital, das condições de participação até o cadastramento dos interessados, foi provida pelos recursos humanos do Judiciário e do Executivo, sem despesas adicionais.