Queixa-crime contra Bolsonaro, por genocídio, pode ir ao plenário do STF

Sob a acusação de prática de genocídio contra povos indígenas durante a pandemia, por vetar envio de insumos médicos, queixa-crime contra Jair Bolsonaro pode ser levado a plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), que vai definir se a Procuradora-Geral de República (PGR) abre inquérito para investigar o caso, que já se manifestou contra a abertura, considerando que não haveria recurso para envio dos insumos, obedecendo a Constituição.

‘O presidente da República buscou, de maneira concreta, que a população saísse às ruas, como de fato saiu, para que contraísse rapidamente a doença, sob a falsa informação da imunização de rebanho. Se o STF acatar o arquivamento, serão fechadas as portas do Judiciário para a apuração deste genocídio contra o povo brasileiro’, considera o advogado André Barros, que foi representado pelo defensor Max Telesca.

A ministra Cármen Lúcia que fez o pedido para que a queixa-crime seja avaliada pelo colegiado.