Objetivo não seria matar o presidente do Haiti, e sim prendê-lo

De acordo com o jornal Miami Herald, que ouviu fonte do caso que investiga a morte do presidente do Haiti, Jovenel Moise, na última quarta-feira, 7, era que os mercenários invadiram sua residência particular para prendê-lo e não matá-lo. A esposa Martine também foi ferida e foi levada de avião até um hospital de Miami.

O grupo que matou o presidente era formado por 26 colombianos e dois haitianos-americanos.

Os Estados Unidos rejeitou pedido para enviar tropas ao país.