O ‘superpartido’ que deve concorrer às eleições de 2022

Na próxima terça-feira, 21, em Executivas Nacionais, PSL e DEM discutem fusão, que criaria o que já vem sendo chamado nas bastidores de ‘superpartido’: teriam, somados, através do fundo partidário, R$ 138 milhões para a gestão do dia a dia e R$ 320 milhões para gasto nas eleições, de acordo com levantamento da Folha referente ao pleito municipal de 2020.

O recordista atual é o PT, com R$ 201 milhões de fundo eleitoral nas eleições do ano passado.

O novo partido uniria o tradicional Centro, que vem desde a era Lula e Dilma, com membros de ala conservadora que desembarcaram do governo Bolsonaro, que estuda ainda legenda para disputa da reeleição.