O serviço de inteligência para segurança de Bolsonaro e da família

Em entrevista ao programa Sem Censura desta terça-feira, 19, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno, falou sobre a transformação do trabalho da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) com a rapidez das redes sociais. ‘Isso é uma mudança de mentalidade, que tem que ser implantada no sistema brasileiro de inteligência, cuja cabeça é a Abin. A Abin, tem lutado ardentemente para se adaptar a esse novo consenso da inteligência. Muito mais rápido. Antigamente nós tínhamos um conceito de transformar o informe em informação, a gente recebia o que a gente chamava de informe e trabalhava ardentemente para confirmar o informe e chegar à conclusão de que não, não é informe, é informação. E não é assim que funciona hoje. Hoje o informe chega e tem que usar, não interessa se é informação. Use e toque para frente para poder ter validade’.

Além da proteção das fronteiras, cibernética e programa nuclear brasileiro, revela sobre a segurança do chefe de Estado.

‘E temos uma missão de cuidar do presidente da República, do vice-presidente e de seus familiares. Por trás dessa segurança, aí entra principalmente o papel da Abin’.