Mistério no Sul de Minas: Polícia não tem hipótese concreta

Desde domingo, 22, quando foi encontrada morta e amarrada no porta-mala do próprio carro, estacionado na garagem de casa, em Pouso Alegre, Sul de Minas, a história da psicóloga Marilda Matias Ferreira dos Santos, de 37 anos, causa comoção e espanto nas redes sociais. A Polícia Civil afirma que ainda não tem uma hipótese concreta do que teria acontecido.

‘A Polícia Civil de Pouso Alegre vem desde domingo trabalhando no fato. Vários passos para a investigação já foram realizados, várias etapas, como coleta de material genético, foram ouvidas diversas pessoas, todas as pessoas próximas da vítima já prestaram depoimento, por enquanto a polícia não trabalha com nenhuma hipótese concreta, seja ela de homicídio ou suicídio, pois o fato está sendo investigado’, afirmou ao G1 o delegado Renato Gavião.

‘A Polícia Civil também está trabalhando com imagens próximas ao local, também foram colhidos materiais de informática que estão sendo analisados pela Polícia Civil, a investigação está em pleno andamento, porém precisa de cautela. No tempo correto, a Polícia Civil dará uma resposta à sociedade a respeito do que aconteceu e se realmente foi um homicídio, quem será o seu autor, mas por enquanto a Polícia Civil trabalha com todas as hipóteses. Uma investigação dessa precisa de muita cautela, de muita precisão, para que medidas não sejam tomadas de forma precipitada’. Não há sinais de arrombamento na casa que vivia com o companheiro, que chamou a Polícia após a psicóloga supostamente não ter retornado de passeio de bicicleta, no dia anterior.