Lava-Jato e o viés político de Gilmar Mendes e Fachin

Luiz Eduardo Fachin, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que mudou todo o cenário político brasileiro ao anular as condenações do ex-presidente Lula, já rejeitou por 10 vezes retirar ações de Curitiba, revela a Folha. E o hoje crítico Gilmar Mendes ‘defendeu em 2015 superpoderes à Lava Jato’. ‘Na visão de especialistas, a discussão sobre os limites da atribuição da 13ª Vara Federal de Curitiba é um exemplo de como os ministros do Supremo oscilam em temas importantes e acabam fomentando a insegurança jurídica, além de passarem a imagem de que atuam de maneira política’.

Em 2017, Fachin chegou a enviar à Curitiba trechos da delação da JBS, com menções a Guido Mantega (PT) e Lula.

Qual o argumento de Fachin para mudar de ‘ideia’ agora? Que o entendimento foi aperfeiçoado pelo Supremo ao longo dos anos.