Ituiutaba: inspeção conjunta de produtos de origem animal começará a valer em dezembro

Ituiutaba: inspeção conjunta de produtos de origem animal começará a valer em dezembro

A partir do dia 3 de dezembro, os produtos de origem animal, fabricados e comercializados em Ituiutaba e em outros oito municípios membros do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável (SIDES), do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, terão que vir com o selo de inspeção, atestando a qualidade desde a sua origem. 

Nesta terça-feira (19), no auditório da Secretaria Municipal de Educação de Ituiutaba, representantes do comércio, dos produtores rurais, de prefeituras do Pontal Mineiro e das entidades de classes, receberam esclarecimentos e tiraram dúvidas de como será a novidade na prática, através dos esclarecimentos da secretária executiva do CIDES, Cristina Martins.

O selo será o atestado de qualidade e confiança, conferido pela equipe da Câmara Temática do consórcio, formada por médicos veterinários, técnicos e especialistas para a autenticação do Serviço de Inspeção Municipal de Produtos de Origem Animal, o SIM CIDES, que terá a marca SIMC estampada nos itens a serem comercializados. 

Este projeto teve início em 2015 e após diversas reuniões, seminários e audiências com a participação do Ministério Público, houve a confirmação sobre data de entrada em vigor, anunciado pela presidente do consórcio, o prefeito de Indianópolis, Lindomar Amaro Borges. 

“Tivemos muitas dúvidas no início. Porém, amadurecemos a proposta a partir do momento em que passamos a conhecer melhor o projeto. O próprio prefeito Fued Dib reconheceu e nos confiou a reponsabilidade de avançarmos com a iniciativa. Agora, o SIMC está sendo bem visto, tanto pelo lado de quem produz, como de quem irá comercializar”, destacou o Secretário de Agricultura de Ituiutaba Regys Braga. 

De acordo com o médico veterinário do CIDES, Rodrigo Heitor, a legislação é clara e todo produto de origem animal devem ser devidamente inspecionado. “O objetivo sempre será a proteção quanto à saúde do consumidor. Logicamente existirá a necessidade de rever algumas situações e melhorar a legislação. Entretanto, chegaremos a essa situação de justa, equilibrada e profissional, sempre se preocupando com o princípio mais importante que é a saúde das pessoas”, disse.