Juiz de Fora terá chuvas em excesso em janeiro e fevereiro de 2020 e prepara gestão de risco

Gestão de risco: Juiz de Fora terá chuvas em excesso em janeiro e fevereiro de 2020

Será um verão com muitas chuvas, principalmente nos dois primeiros meses de 2020. Essa é a previsão do Climatempo MG, divulgada nesta terça-feira,19, durante seminário sobre gestão do risco de desastres no período chuvoso, realizado no auditório da Região Integrada de Segurança Pública/4° RISP, no Bairro Nova Era, em Juiz de Fora.

“Neste final de novembro, em dezembro e março teremos uma precipitação um pouco acima da média histórica, mas em janeiro e fevereiro as chuvas virão com mais intensidade”, informou o diretor-geral do órgão, Ruibran dos Reis.

Presente ao evento, o coordenador da Defesa Civil de Juiz de Fora, Jefferson Rodrigues avaliou a previsão: “Não tínhamos detalhes precisos, mas imaginávamos algo assim. De qualquer forma, estamos nos preparando e divulgando este alerta”.

No seminário foi apresentada também palestra sobre “Gestão de Riscos e Desastres”, com Leonardo Andrade de Souza, consultor e pesquisador, responsável pela elaboração de planos municipais de Redução de Riscos do Ministério do Desenvolvimento Regional. Para ele, “gestão de riscos é eficiente quando a sociedade tem a percepção de que algo pode acontecer além do admissível”. Ele apresentou critérios para bom enfrentamento da situação, que podem ser resumidos em quatro pontos: conhecimento do cenário, planejamento, monitoramento permanente e informação pública.

Citada algumas vezes na palestra como bom exemplo, a Defesa Civil de Juiz de Fora cumpre as etapas. “Claro que temos que ficar vigilantes, mas temos os elementos básicos, entre eles os planos de Redução de Riscos e o de Contingência, em constante atualização, assim como o Plano Diretor, que precisam ser dinâmicos”, afirmou Jefferson Rodrigues.

Na parte da tarde do evento, promovido pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, com apoio da seção estadual da Defesa Civil, os assuntos abordados foram os critérios e procedimentos para a decretação da “Situação de Emergência” ou “Estado de Calamidade” e informações sobre transferência de recursos do Governo federal às cidades.