Autor de Passos vence concurso internacional de poesia

Com o poema ‘The Lord of the Words and the Gardener’ (O Senhor das Palavras e o Jardineiro — leia no final do post), o autor José dos Reis Santos, de Passos, conquistou a terceira posição do Concurso Literário Internacional da Natureza, acerca da impotência do ser humano ante os impactos da pandemia. ‘Sempre tenho participado de concursos literários em português, mas, desta vez, resolvi arriscar em inglês, já que os dois primeiros versos vieram nesta língua. Fiz a tradução e, para maior segurança, recorri à minha professora de inglês na Faculdade de Letras, a Larissa Pádua Silveira, que, gentilmente, me orientou’, revela.

Reis dos Santos concorreu na categoria poesia com participantes de Portugal, Itália, Dinamarca, Romênia, Japão e Brasil.

Os poemas vencedores terão versão impressa publicada em Portugal, Estados Unidos e Romênia.

Foto: Aluísio de Souza

The Lord of the Words and the Gardener
Autor: José dos Reis Santos

The Lord of the Words determined
That I speak a word of comfort
To those who mourn their dead through the empty streets,
To those who seek a thread of hope,
To those who wait for the balm of life!

The Lord of the Words determined
That I announce the arrival of light
To those who trust in the hand of destiny,
To those who beg for a few more hours,
To those who wait in the queue of history!

The Lord of the Words determined
That I declare a love poem
To those who walk without a north,
To those who disconnect from life,
To those who are bored with death!

The Lord of the Words determined
That I sing a new song
To those who seek a note of hope,
To those who babble phrases to the heavens,
To those who stumble on the facts of the Earth!

The Lord of the Words determined
That I say a prayer
To those who seek the meaning of life,
To those who drink the cup of loss,
To those who digest their pleas of pain!

The Lord of the Words determined
That I find sweet words,
In all the languages of the world,
For the harsh reality
Thrown in the face of so many families!

But, oh, Lord of the Words,
With all due respect,
I can’t speak of consolation,
I can’t announce the light,
I can’t recite poems,
I can’t sing a song,
I can’t say a prayer,
I can not find
Any word
In any language
Because I lack words
In all languages…
I just have this garden,
That I take care of with great affection,
To offer the world!

EM PORTUGUÊS:
O Senhor das Palavras e o Jardineiro
Autor: José dos Reis Santos

O Senhor das Palavras determinou
Que eu fale uma palavra de consolo
Aos que choram seus mortos pelas ruas vazias,
Aos que buscam um fio de esperança,
Aos que esperam pelo bálsamo da vida!

O Senhor das Palavras determinou
Que eu anuncie a chegada da luz
Aos que confiam na mão do destino,
Aos que imploram por mais algumas horas,
Aos que aguardam na fila da história!

O Senhor das Palavras determinou
Que eu declame um poema de amor
Aos que caminham sem um norte,
Aos que se desconectam da vida,
Aos que andam enfastiados com a morte!

O Senhor das Palavras determinou
Que eu cante uma nova canção
Aos que buscam uma nota de esperança,
Aos que balbuciam frases aos céus,
Aos que tropeçam nos fatos da Terra!

O Senhor das Palavras determinou
Que eu faça uma prece
Aos que buscam o sentido da vida,
Aos que bebem o cálice da perda,
Aos que digerem as súplicas de dores!

O Senhor das Palavras determinou
Que eu encontre doces palavras,
Em todas as línguas do mundo,
Para a crua realidade
Jogada na cara de tantas famílias!

Mas, ó, Senhor das Palavras,
Com todo o respeito,
Eu não consigo falar de consolo,
Eu não consigo anunciar a luz,
Eu não consigo declamar poemas,
Eu não consigo cantar uma canção,
Eu não consigo fazer uma prece,
Eu não consigo encontrar
Nenhuma palavra
Em nenhuma língua
Porque me faltam palavras
Em todas as línguas…
Eu só tenho este jardim,
Que cuido com muito carinho,
Para oferecer ao mundo!