As pessoas fardadas em reunião para mudança na bula da cloroquina

Em entrevista ao Poder360, o ex-ministro da Saúde, deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM), revelou que pessoas fardadas estavam na reunião que articulava a inserção na bula da cloroquina informação de que o medicamento supostamente poderia proteger contra a Covid-19. A insistência de Bolsonaro no remédio já é considerado alvo principal da oposição e cuidado da situação, que apagou série de vídeos sobre o ‘tratamento precoce’ no YouTube.

‘Eu estava em uma reunião, me lembro bem até a data, dia 6 de abril, porque era o dia que eu seria exonerado, mas resolveram não me exonerar. Quando terminei, me pediram para subir no quarto andar. Eles já estavam lá e trabalhando nisso. Que médico chega com um decreto presidencial? Médico não tem formação para escrever minuta de decreto presidencial. E nesse papel que estava lá, entre outras coisas, estava que a Anvisa deveria concordar de colocar na bula porque não tem prescrição. Eu perguntei ao senhor Barra Torres [presidente da Anvisa] se ele estava de acordo e ele foi veementemente contra. O ministro Jorge Oliveira estava ao meu lado, recolheu todos os papéis e disse que estava fora de contexto’, conta.

Mandetta não confirma pré-candidatura à presidente e fala de aliança para derrotar Bolsonaro e Lula.