Após receberem R$ 100 mil, procuradores reclamam de celular funcional de R$ 3,6 mil

O modelo SE do iPhone, com custo atual de R$ 3,6 mil para o Ministério Público Federal (MPF), foi chamado de esmola por procuradores na rede interna da instituição, apontam mensagens que a Folha teve acesso. Alguns integrantes receberam agora em janeiro mais de R$ 100 mil, contando salário, 13° e benefícios. Eles ainda possuem um notebook de R$ 4,5 mil (trocado em 2020) e um tablet funcional.

A Procuradoria do Piauí afirmou que as mensagens foram tiradas de contexto e a contratação para a compra dos aparelhos foi suspensa.

A Procuradoria Geral da República afirma que está mantida.