Aposentada diz que consignado foi feito sem sua autorização no INSS

Aposentada diz que consignado foi feito sem sua autorização no INSS em 2019

Aposentada diz que consignado foi feito sem sua autorização no INSS em 2019. A aposentada Marisa Mesquita Mendes, 61 anos, do Jaçanã (zona norte de São Paulo), relata que foi feito um consignado no Itaú, no valor R$ 1.881,42, em seu benefício, depositado em sua conta-corrente de outro banco. “Além de tudo nem sou cliente do Itaú”, afirma.

A leitora conta que foram utilizados seu nome e CPF, mas a assinatura, o endereço e o telefone não são dela. “O empréstimo foi feito em 72 vezes de R$ 53 e a primeira parcela já vai ser descontada”, explica.

Marisa diz que entrou em contato com a central de atendimento do banco para fazer a reclamação e registrou um boletim de ocorrência.

“O Itaú enviou um boleto para eu devolver o dinheiro. Paguei o boleto no dia 16 de outubro. Cinco dias depois, liguei novamente para o Itaú e qual não foi a minha surpresa quando fui informada de que, em vez de cancelarem o contrato, fizeram a portabilidade para outro banco”, queixa-se.

A aposentada afirma que o Itaú solicitou o comprovante do pagamento. “Enviei e, para piorar a situação, depositaram novamente o valor na minha conta. Estou com um advogado, pois quero este contrato anulado. Quero ressarcimento e perdas e danos”, afirma.

BANCO REALIZOU PORTABILIDADE

O Itaú Unibanco afirma que o empréstimo consignado foi realizado mediante a apresentação de documento original e assinatura regular da leitora. O banco diz ainda que recebeu o pedido de portabilidade de outra instituição em 11 de outubro, com a conclusão do processo no dia 18 do mesmo mês. Como o contrato já estava liquidado, foi realizada a devolução do valor à cliente. “Nunca fiz esse consignado,” disse a leitora.